Rumo ao Alvo (Inicio: Março 2008)

segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

Castigo divino

Acho que já contei por aqui que sou louca por ferrero rocher. Nunca os compro, senão era a desgraça da minha vida, mas empanturro-me com eles todos os santos natais. Como toda a gente sabe que adoro oferecem-me sempre algumas caixas. E eu como-os sempre como se não houvesse amanhã. Este ano decidi que ia comer no máximo três. A meio da tarde de dia 24 já me estava deliciar com a ideia, a sonhar com os bombons a derreter na boca e a relembrar: são só três, Marisa! Até comentei aqui com o gajo: "espero que este ano tenham o bom senso de não me encher de caixas de ferrero rocher! Mas se acontecer ofereço-as. " E querem saber?? Não é que a malta teve DEMASIADO bom senso?? Sabem quantos ferrero rocher recebi??? Nenhum!!! ehehehe Só por causa disso tive que roubar descaradamente 3 baccis ao meu pai. Que a mim ninguém me ofereceu docinho algum. rss Pela primeira vez a malta levou a sério a minha dieta. E eu continuo a sonhar com os ferrero....

Não consegui passar por aqui a tempo de vos desejar um feliz natal, mas desejo-vos um feliz 2009 cheio de coisinhas boas e com muita força para levar a cabo todos os projectos sonhados, entre eles, o de emagrecer, claro. Para mim acho que vai ser um bom ano. A sensação que tenho é que 2008 foi um ano de preparação para ganhar coragem e preparar-me para retomar as rédeas da minha vida. Nesse sentido foi um bom ano. O próximo será ainda melhor. Um ano de mudanças. Espero. ;)

quinta-feira, 18 de dezembro de 2008

Balança, meu amor rs

Redzone a querer passar e peso a baixar..Rimou, viram? ehehehe Eu hoje não estou boa. rss Pois é, estes inchaços andavam a atrapalhar mais do que pensava. Ah pois é! Que hoje a menina tinha menos um kg e tal. E ainda me sinto algo inchada..Réguinha a mexer! :)))))))

Isto hoje é passagem de corrida que tenho que ir ali dar um tiro na nuca...dia de encontro com a orientadora da dissertação...ai...até fico doente. Doente, mas contente! (hoje estou com queda para rimas tontas) Com 68 kgs. ;)) Então amanhã coloco os comentários em dia que hoje ainda tenho umas coisinhas para rever.

Ah! By the way, a pançola teimosa não vai resistir muito mais à operação Dezembro 2008. Já começou a murchar. Pró mês que vem extermino-a! Farta da barriga e a gaja que não me larga! arre!

Agora venham-me lá dizer que já há doces de natal e tal...há lá docinho mais saboroso que ver o peso a descer? A barrigola a encolher? Que poder começar a sonhar com as roupas lindas que quero comprar? Sabem, aquelas roupas que só ficam bem quando o corpo começa a modelar e a cintura a afinar? E agora surge não mais como um sonho que parece quase irreal de tão distante, mas como algo palpável, passível de ser concretizado brevemente. Não, não há docinho que valha isto. Por isso, meninas, vamos lá todas pensar muito bem antes de usarmos da desculpa Natal para boicotarmos os nossos esforços! Natal é ceia de 24 e dia 25, ponto! Não é o mês inteiro!

terça-feira, 16 de dezembro de 2008

Motivando

Está a chover? Está frio? Não apetece caminhar? Oh pá, enfiem-se num centro com muitas lojas, andem por lá umas horas que só tem vantagens. Primeiro, não ficam embosteiradas no sofá e sempre se gastam umas calorias. Segundo, depois de ver um montão de roupas lindas quem tem vontade de comer porcarias?! E se pelo meio derem convosco a comprar roupinha tamanho S para a vossa própria mãe...ui...vão comer maçãs como uma iguaria digna dos icones da doçaria nacional. ehehehe Ah, mas que resulta, resulta.

segunda-feira, 15 de dezembro de 2008

Yeaahhh

Desta feita, nem a maldita menstruação que me acompanha há 2 dias , atrapalhou: a réguinha vai mexer mesmo. Ciclo quebrado. Passa aos 22 kgs perdidos e à casa dos sessenta. :)))) Raio de meta psicológica. Cada vez que me aproximava dos sessenta's vinha asneira na certa. Percebi que tinha que largar as contas mentais de quanto faltava para o IMC normal e centrar-me novamente num kg de cada vez. Sem ansiedades, mas com determinação. Resultou. :)))

quinta-feira, 11 de dezembro de 2008

Em frente!

Não há dúvida que, às vezes, é preciso rever direito o que se anda a fazer e procurar estímulos para poder avançar. A alimentação está certinha e o estrago dos últimos tempos zerou. Agora é seguir em frente. Apesar da barrigola que anda a atrapalhar...eu bem me farto de comer couves e afins, até linhaça incluí, mas deu para prender. Imagino que passe rapidinho com a alimentação cuidada. Estou centrada em mexer a réguinha acima em breve. Cansada de impasses e dos auto-boicotes, sempre que estou a chegar à casa dos sessenta, asneiro. É impressionante. Mas agora vou quebrar esse ciclo, ah vou. ;)

terça-feira, 9 de dezembro de 2008

Estaladão matinal

Feitas as contas ao peso perdido de Julho para cá, concluí que descobri a fórmula certa para manter o peso. O objectivo era perder...

segunda-feira, 8 de dezembro de 2008

Recuar para melhor saltar

Tenho fases assim, em que não me apetece escrever. Continuo a ler os outros blogues, vou comentando de quando em quando, mas chego aqui e não me apetece escrever. Não deixa de ser curioso, já que enquanto estou ocupada com outras tarefas vou pensando em coisas que me apetece partilhar aqui. Mas depois dá-me a preguiça mental. Na verdade, nem sei se é bem preguiça. Acho que é uma característica minha. Há momentos em que para me (re)organizar preciso de silêncio. Estou com muita vontade de prosseguir com novo gás no emagrecimento e para isso preciso de tempo, tempo para pensar, tempo para organizar em mim a melhor forma de conseguir chegar à minha próxima meta. A busca daquele grande desejo, daquela motivação que nos faz centrar de forma férrea num objectivo tem o seu quê de processo solitário. Precisa de tempo, de reorganização mental. É assim que me sinto. Com uma necessidade imensa de repensar e de (re)estabelecer tudo o que preciso de fazer de forma bem prática, tal como fiz no início do processo.

A alimentação voltou aos eixos na maior parte do tempo. Também houve lugar a umas guloseimas pelo meio. Na verdade não sei dizer exactamente quanto estou a pesar porque tenho acordado inchada que nem um balão. Mas a julgar pelos furos do cinto, devo estar muito próxima de recuperar totalmente das asneiras anteriores. ;) Agora é delinear um plano, mentalizar-me muito bem desse plano e não sair dali durante uns bons tempos. Em final de janeiro, o mais tardar em Fevereiro, quero renovar o guarda-roupa e quero fazê-lo com uns bons kilos a menos. ;) Vou-me concentrar nesta ideia.

Feito um balanço não estou totalmente insatisfeita com os últimos 5 ou 6 meses. Mas poderia ter feito muito mais e melhor. O lado positivo foi o ter percebido que as escolhas saudáveis e equilibradas no dia-a-dia não eram assim tão complicadas e já tinham entrado na rotina. O lado negativo acho que foi um certo excesso de confiança que surge quando já nos alimentamos bem no dia-a-dia sem pensar e sem grande esforço. Vai-se baixando a guarda lentamente. E para se continuar a perder peso não se pode baixar a guarda. Temos que estar atentas. Perceber exactamente quando é altura de reduzir um pouco as quantidades do que se come, substituir alimentos ou aumentar a actividade física. Perceber quando estamos preparadas ou não para o fazer. Temos que ter a capacidade de nos transformarmos e (re)criarmos ao longo do processo, de estabelecermos metas e processos ajustados a cada etapa, de reinventarmos motivações e desejos. Aquilo que foi a minha grande âncora inicial já não tem o mesmo lugar hoje. A minha grande questão já não é sair da obesidade. Os pequenos grandes pormenores a que me agarrava a cada dia e que se prendiam em grande parte com o estar a recuperar a amplitude de movimentos e questões similares próprias da obesidade, já não se colocam há tempos. Agora preciso de mais. De ser mais exigente comigo, com a minha forma e capacidade física e de desejar recuperar as formas corporais que deixei para trás um dia. Mas desejar de verdade. Que isto de querer ter um corpo bonito que fique bem em qualquer trapinho todos querem. Fazer por isso são outros quinhentos.

quinta-feira, 27 de novembro de 2008

Recomeçando

Estou viva. E melhor. O anti-inflamatório para a dentuça tem vindo a fazer os seus efeitos, no que deve e no que não deve. Aquela coisa tem lactose e outros mimos e eu ando a inchar que nem um balão. A alimentação voltou aos eixos nos últimos dias, menos mal. Já desliguei tempo suficiente. Agora é hora de retomar e de me preparar mentalmente para prosseguir com novo gás. Nem é que me tenha dado grande vontade ou motivação. Não foi um insight nem nada do género. Foi mais uma tomada de consciência de que foi exactamente com essa postura do laissez faire laissez passer que engordei que nem bruta. E não pode ser! Não importa se é uma fase meio chata da vida ou se há outros problemas que parecem prementes. O cuidado connosco não pode nunca ficar para depois. Para emagrecer e de vez tem que se quebrar essa postura. Não dá para deixar para amanhã, porque a vida está a acontecer hoje. Se tem que acontecer sem o queijinho que está no frigorífico, azarito. rsss Que em Janeiro faço questão de ir renovar o guarda-roupa e com um peso mais decente. ;) Quero mais é comprar roupa gira e a sentir-me bem nela. ;)

Nem poderia escrever isto sem agradecer à minha amiga Flávia. Que teve a pachorra de me aturar na altura do "ai engordei e não ando com vontadinha nenhuma de retomar a dieta". Nada como uma boa conversa para nos recordarmos de que há coisas bem mais importantes do que abdicar de uma ou outra paparoca. Na verdade, abdiquei de muito mais coisas e bem mais significativas para mim em tempos de engorda. Sentir-me bem comigo e com o meu corpo dá-me muito mais prazer que qualquer um dos pitéus com que me vou deparar no próximo fim-de-semana. Sim, que toda a gente sabe que coisa boa, boa, quando se está a tentar reencontrar a motivação e a linha é ter um fim-de-semana prolongado recheado de almoçaradas, lanchinhos e jantaradas marcados. Aiii! Mas eu vou ser forte. Ah vou! eheheh

Acho que tenho mais 1 kg e tal agora, mas como estou inchada não consigo saber ao certo. Depois actualizo a réguinha. Coisa mais parva engordar. Enfim. Recomeçando.

P.S.- Tenho uma série de visitas e comentários em atraso. Ando a reorganizar a casa e entre limpezas de fundo e o desfazer-me de velharias (como roupas grandes, por ex, ;) tem-me sobrado pouco tempo. Mas devagarinho, eu chego lá. ;)

segunda-feira, 24 de novembro de 2008

Olá net, olá blogue, olá meninas! ;))

Pois é, já tenho net. Uffa! Aliás, já tenho há uns dias. Oportunidades para actualizar o blogue é que têm sido poucas. Os últimos dias têm sido uma correria no meio de previstos e imprevistos. E agora mais um. Estou com um abcesso e uma dor de cabeça daquelas. E nem assim perco o raio do apetite...dasse! Acordei esfomeada. Tomei o pequeno-almoço, o lanche da manhã e estou esfomeada de novo. E nem as dores me impedem de arranjar forma de mastigar. Credo! Ando numa fase que não posso ver comida. A precisar de me sentar e recolocar as ideias em ordem. Este cantinho ajuda muito. Não há dúvida. Pelo menos, impede-me de fazer uso da xico-espertice saloia. Aquela que me faz ignorar que ando a comer o que não devo, em quantidade que não devo, mas deixa lá, depois amanhã peso-me e passo a comer direitinho outra vez. E o amanhã vai tardando em chegar. Que isto de ignorar os estragos parece sempre mais fácil. Mas não é.

Mas deixo esta conversa toda e as novidades para depois. Agora vou ali tomar mais um analgésico e agarrar-me ao trabalho, que tem que ser. :( A ver se há noite me sinto melhorzinha e venho colocar as leituras em dia. Saudades das meninas e em pulgas para saber as novidades. Espero que andem com mais juízo que eu... rs

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Sem net

Aproveitando um jantar em casa de amigos para vir aqui dizer-vos que estou sem net. O modem...pufff blum!! Foi-se! Grrrr! A ver se o gajo lá para o final da semana tem tempo para tratar da coisa. ;) Novidades...hum... há boas e há más. As boas é que recuperei umas blusas e casacos que andavam lá por Leiria e não me serviam há quinhentos anos. rs As más é que devo andar a ver se me deixam de servir de novo...aiii...é que só tenho feito asneiras. A maior rebaldaria desde que iniciei esta coisada toda em Março. Para ajudar, a tal coisa da articulação manteve-se e exercício nicles batatóide. Esta semana vou tentar recomeçar a ver se ainda me dói ou não. E tenho que me alimentar decentemente!!! ´Tá dito! ;) Há alturas em que se dá uma espécie de curto-circuito e os hábitos antigos vão surgindo devagarinho, como quem não quer a coisa. Quando uma pessoa dá por ela já está a começar a abandalhar. Acho que é esta coisa de estar sempre centrada na ideia de perder peso que, de vez em quando, cansa. Quem mandou engordar?! Agora há que aguentar à bronca. Depois de tanta pausa não tenho mais desculpas. Há que voltar à linha. Uma nova semana: uma nova oportunidade de trabalhar para viver melhor e mais feliz.

Agora a ver se volto ali para dentro e não toco mais na mousse de chocolate nem no vinho....ninguém merece! rsss Vou já começar a meditar para me mentalizar que uns aniversários de seguida não podem ser desculpa....ohmm ....

Beijinhos grandes e até breve!

sexta-feira, 17 de outubro de 2008

Restrição calórica e metabolismo

Estou em guerra com as hormonas: redzone daquelas. Aiii! Dói-me os ovários, estou inchada e com um humor que já teve dias melhores. rs Como o gajo não está aqui para me aturar, aturam vocês. Descarreguei. Ufff! rsss Odeio sentir-me inchaaadaa! Mas o peso está na mesma, o que me faz pensar que devo ter emagrecido alguma coisita. Estava à espera mais de aumentar o peso do que de descer. Mas adoro enganar-me assim. rss

Continuo com um pé (grande) fora da dieta. Desde comer maple syrup à colher às tantas da noite a ir para os copos com as amigas, foi de tudo que me lembrei. Acho que o que vai salvando a situação é que, de há tempos para cá, distraidamente comecei a comer menos às refeições. Não por ter decidido racionalmente fazê-lo, mas porque passei a ter menos fome mesmo. Já antes isto tinha acontecido. Vou perdendo peso e ao fim de uns bons kgs, começo a não conseguir comer as mesmas quantidades a cada refeição. A refeição que faria há uns 3 meses e me deixava satisfeita agora deixaria-me enfartada. Até acho natural. À medida que o peso baixa as necessidades calóricas do organismo também diminuem. Sinto que o mecanismo de auto-regulação do apetite recomeçou a funcionar. Mas também acho que isto só é possível quando nós próprias não desregulamos os mecanismos de saciedade e fome e o próprio metabolismo assumindo restrições a mais em cada etapa de perda de peso.

Esta semana estive com duas amigas minhas em circunstâncias diferentes e fiquei a pensar nisto. A F. engordou 8 kgs e está de dieta. Está no limite do IMC normal. Foi à nutricionista, está com um plano de cerca de 1600 calorias e caminha diariamente. A M. tem mais de 40 kgs a perder, assumiu uma dieta de 1300 calorias e quer ir ao ginásio 2 horas por dia. Sou só eu ou há algo que não bate certo aqui? Quanto é que apostam que daqui a uns meses a M. terá dificuldades em prosseguir com a perda de peso? É que as necessidades calóricas da F. são bem menores do que as da M. No entanto, a restrição calórica da M é a maior. A própria M. tem necessidades calóricas superiores agora do que tinha com menos 20 kgs e maiores ainda do que tinha com menos 40kg. Mas pretende fazer tudo igualzinho ao que fazia muitos anos atrás com 40 e tal kgs a menos e engordava um bocadito.

Eu falo nisto aqui porque este foi um aspecto das dietas com que tive que me auto-confrontar quando decidi que ia voltar ao meu peso antigo e que ia acabar com as dietas de vez. É que perder algum peso não é o mais difícil. O que é difícil é conseguir fazê-lo com equilíbrio, mantendo uma perda regular, sem grandes montanhas russas pelo meio e chegar ao final com possibilidades de manter o peso sem viver tipo faquir. Até porque convenhamos, o que é que nos faz pensar que passamos de um tempo em que comemos o que nos dá na real gana até ficarmos balofas, para um outro com um auto-controlo fora do normal que nos vai permitir comer quantidades de comida diminutas para manter o peso? Sim, porque é isso que acontece no momento em que tivermos que nos ver gregas para perder os últimos kgs e depois gregas para manter o peso em virtude do metabolismo lento que se conquistou. Foi preciso entender isto, rever os tempos de sanfonas, para perceber que temos que criar restrições calóricas sim, mas moderadas. Quanto menor a restrição a cada altura, maior a probabilidade de manter o metabolismo a funcionar sem grandes alterações de ritmo. E esse é um grande trunfo quando se quer perder muito peso e mantê-lo depois. Aliás, se assim não fosse, a esta hora estava aqui a chorar-me por ter aumentado de peso com tanto disparate que fiz estes dias. Não duvidem que estas brincadeiras anos atrás tinham-se reflectido e de que maneira na balança. Mas eu vivia num engorda e emagrece à conta de dietas restritivas. O meu metabolismo era uma desgraça e a guerra entre os 60's e os 50's era constante. Não duvido que isso contríbuiu muito para engordar mais tarde brutalmente e em tempo record.

P.S. - Estou com pouco tempo até porque vou para fora amanhã e tenho tudo para preparar ainda. Mas vou tentar vir cá mais tarde e meter as visitas em dia. Ando uma desnaturada, é o que é. ;) Fase complicada por aqui. Beijocas

segunda-feira, 13 de outubro de 2008

De volta

Com uns dias de atraso, mas de volta. ;) Até ao final do ano vou ter que me disciplinar e escolher um dia ou 2 para andar por aqui e actualizar as visitas. Tenho que me dedicar à dissertação e outras coisinhas. O tempo urge. ;) Quanto a novidades, não tenho muitas. Tenho andado sem pachorra para dietas e tenho comido sem grandes preocupações ou esforços para acelerar resultados. Volta e meia tenho estas fases. Nas últimas semanas fiz pausa nos exercícios porque consegui empenar de N maneiras diferentes. Um dia porque me inclinei na cadeira para me levantar e a cervical marou. Depois andei coxa e nem percebi o que aconteceu ao pé. Está uma gaja porreira da vida, em pé, a mexer um risotto e quando vai para se mexer ..tunga! Uma dor daquelas e mal consegue andar. E nem sequer dei conta que tenha pousado mal o pé. Mistérios das tendinites. rs Entretanto, quinta-feira acordei com uma dor na articulação superior da perna. Mal me mexi nos 2 dias que se seguiram. A dor diminuíu, por isso, espero amanhã já conseguir fazer alguma coisa com os exercícios, ainda que em versão soft. Já sei que não posso parar muito tempo, sem que se instale um amor renovado ao sedentarismo. rss Sou uma gaja paradoxal, é o que é. Faço exercício, gosto e entusiasmo-me. Não faço dá-me uma preguiça que quanto menos faço menos me apetece fazer. Portanto, o melhor é nem permitir que a preguiça se instale mais do que a conta.

Apesar da falta dos exercícios e das festas alimentares, perdi mais um kg e vou actualizar a réguinha. :)) A única explicação que encontro é que a opção de aumentar as quantidades do que comia até perceber onde pararia de perder peso e reduzir só um pouco de cada vez, foi uma boa opção. O meu metabolismo ainda não desacelerou, apesar dos 21 kgs perdidos. A outra é que a alimentação cuidada no dia-a-dia tem os seus efeitos. Acredito que mais importante do que contabilizar calorias é escolher alimentos que ajudem o nosso organismo a funcionar bem e fazer refeições a intervalos curtos e regulares. Convenhamos, podemos fazer uma refeição de lasanha com o mesmo aporte calórico de outra com sopa, salada, bife grelhado e arroz integral. Mas no segundo caso, o aparelho digestivo vai funcionar melhor, a saciedade vai-se prolongar por mais tempo e ainda podemos comer maior quantidade e não ficar com o sentimento de restrição. Só vantagens. rs

Tenho estado a actualizar as leituras e depois colocarei os comentários em dia. Beijocas

quarta-feira, 17 de setembro de 2008

Blog em férias

Sai post meio atabalhoado que a gaja aqui está com pressa. rs Volto lá para 10 de Outubro. Espero que com boas notícias no que respeita à réguinha ali em cima. ;)

Mas mais do que na balança vou concentrar os meus esforços na actividade fisica. A minha prioridade neste momento é a minha condição fisica. Ao meu ritmo e sem grandes stresses: Quero ter mais fôlego, mais força, mais agilidade, mais flexibilidade e um corpo tonificado. Considero um investimento de médio prazo na minha saúde e no meu bem-estar no sentido mais lato do termo. Também será o que mais tarde me fará mais facilmente eliminar os últimos kilos (que tendem a ser os mais resistentes) e a peça-chave para conseguir futuramente manter o peso. Todos sabemos que massa magra queima mais calorias do que massa gorda. Todos sabemos que o que não falta por aí são pessoas com peso normal, mas cuja composição corporal tem tanta massa gorda que correm vários dos riscos associados ao excesso de peso. E o nosso corpo? Como fica depois de perdermos um monte de kgs? Não quero ser mais uma daquelas mulheres que perde uma enormidade de kgs e continua a esconder o corpo pela vergonha das peles caídas, do corpo deformado. Não deixem para pensar nisso depois. É mais fácil evitar que resolver.

Sei por experiência o quanto custa retomar a forma física e o hábito de fazer exercícios. Para além de ser muuuuuiito preguiçosa, continuo a não poder com uma porca pelo rabo. Mas se pensar que antes tocar com as mãos na ponta dos pés era uma miragem e que agora não me custa nadinha, que fazia metade das repetições do meu vídeo de localizada a torcer para a tortura acabar o quanto antes e que agora chego ao fim animada e a sentir-me perfeitamente capaz de prosseguir, não me deixo desanimar por até ter um vídeo novo de cardiofitness que não consigo acompanhar sequer na parte do aquecimento. Sou altamente descoordenada, tenho um fraco sentido de equilíbrio, a minha capacidade cardiovascular está uma miséria e aquela coisa de conseguir isolar grupos de musculares a fazer exercício até me dá vontade de rir...tipo quais músculos?! rss Mas sei que hei-de executá-lo correctamente e sem qualquer dificuldade de uma ponta à outra. Demore o que demorar e custe o que custar. Estou a treinar para isso. Iniciei esta caminhada com uma ideia muito clara: não repetir os erros e os mecanismos de pensamento que alimentam a obesidade. Isso implica enfrentarmos conscientemente cada um dos obstáculos, abraçarmos com persistência cada desafio e nunca, mas nunca mais adiarmos o prazer de viver em pleno ou desistirmos de nós.

A vida não espera enquanto ficamos abancadas no sofá a curtir mais um queijinho ou uma bolachinha. As soluções para os problemas e angústias não vão cair do céu, entre um hamburguer e um chocolate. Cabe-nos a nós escolher se queremos assistir à vida de camarote vivendo (e comendo) ao sabor dos acontecimentos ou sermos participantes activas rumo a uma nova vida, mais feliz, mais saudável, mais consciente, mais autêntica. O peso? O peso será um reflexo de uma outra forma de abordar e estar na vida. Nada mais. Não se iludam. O que tem que mudar para emagrecermos definitivamente, mais do que o que colocamos no prato ou as calorias que gastamos nos exercícios, é a nossa cabeça.

Ah! E ninguém me venha com a conversa da gorda feliz que eu tenho dificuldade em crer que alguém possa ser verdadeiramente feliz com tanto descaso por si mesma, pelo seu corpo, pela sua saúde. Eu não o era seguramente.

Um grande beijinho a todas e obrigada por todos os comentários e força no post abaixo. Desculpem a minha fraca presença nos últimos dias. Tenho lido tudo, mas comentado pouco. A disponibilidade tem andado curta.

Hasta la vista! ;))

quarta-feira, 10 de setembro de 2008

Yeeeeaah

Valor confirmadíssimo nos últimos dias: a réguinha passa aos 20 kg lost. Tardou, mas foi. :))))

segunda-feira, 8 de setembro de 2008

Reconquistando a forma - Parte II

O meu peso começou a descer, mas ainda de forma muito instável. Ando com uma retenção de líquidos brutal. Tenho acordado ainda mais inchada do que o habitual e ao longo do dia o inchaço vai aumentando até ao desconforto ser imenso. Bebo muita água, portanto não é por aí. Comecei a reduzir o sal e vou partir para as medidas drásticas que resultaram anteriormente. Estou a preparar-me para uns dias sem sal na alimentação. Custa muito ao início, mas os resultados valem bem a pena. Para ajudar à festa, hoje estou com os sintomas todos de mais uma crise de vesícula. Para além de que, os intestinos reviraram e as manchas no corpo voltaram. É o que chamo de dia NÃO. O curioso é que tenho feito uma alimentação impecável, diversificada e com poucas gorduras. Acho que chegou o efeito tardio daqueles dias com asneiras, com uma fatia de queijo aqui e a bolachinha acolá. Também sei que continuo a pagar a factura de tanto tempo acima do peso e com a alimentação errada. Volta e meia, quando o peso começa a descer repentinamente, isto acontece. As manchas no corpo são mais claras e em menor número do que quando comia alimentos a que sou intolerante, mas estão lá. Faz-me pensar na quantidade de toxinas e porcarias que ainda andam por estas banholas fora. Mas estou numa daquelas fases em que não só isso não me desanima, como me dá mais força para continuar. Quero recuperar a minha saúde e bem-estar definitivamente. Sei que esse é um processo moroso de boas escolhas e muita persistência. Pensar qualquer outra coisa é votarmo-nos ao desânimo e ao fracasso. Um dos problemas com as dietas e com a mudança de hábitos é o querer-se tudo para ontem. Temos que ser realistas. Anos de asneiras e maus hábitos não se apagam em meia dúzia de meses.

A minha escolha tem sido centrar-me em tudo o que está a melhorar em mim, mais do que nestes momentos em que o meu organismo entra em desvario ou naqueles em que olho no espelho e me sinto ainda tão longe dos tempos da boa forma. E as melhorias são inegáveis. De modo geral e se não pensar na grande indisposição de hoje, qualquer semelhança entre o meu corpo, a minha saúde e bem-estar geral actual e o de há 5 meses atrás é pura coincidência. ;) Portanto, se tem valido a pena o empenho, o esforço, a luta contra o desejo de asneirar com a alimentação, o combate à enorme preguiça para me exercitar? Definitivamente sim! Assumir este compromisso comigo mesma, o passar do desejo de mudar à acção, o não me deixar levar por aqueles momentos de desânimo que surgiram uma vez ou outra, têm sido das escolhas mais inteligentes que fiz na minha vida. Viver melhor não tem preço. E fora da obesidade vive-se muuuuito melhor. ;)

Amanhã espero sentir-me menos indisposta e colocar os comentários em dia. Hoje estou mesmo boa para me enfiar na caminha. Como não pode ser, vou trabalhar um bocadinho enquanto sonho com ela. rs

Reconquistando a forma I

O tempo continua realmente curtinho por estas bandas e a disponibilidade mental tem sido menor ainda. Preciso de me dedicar à dissertação e a outras questões prementes. Para ajudar, estive sem net este fim-de-semana. Voltas e voltas a tentar resolver o problema aqui em casa, para depois descobrir que o problema era do fornecedor de serviços..grrr. O tempo livre tem sido gasto com os exercícios. Sim, nisso ando empenhadíssima e animadíssima com os resultados. :)) A minha forma está realmente a melhorar e isso motiva-me muito. Descobri que debaixo destas banholas todas existem músculos! rss A sério, a velocidade dos resultados a esse nível estão ser cada vez mais surpreendentes para mim. Finalmente, começo a combater o resultado de tanta engorda e sedentarismo. A flacidez está a deixar-me a olhos vistos. Vai levar tempo até refirmar e tonificar seriamente o corpo, mas eu chego lá. ;) Um dos resultados do inchaço abdominal imenso foi a barrigola descair. Apesar de ter diminuído, continua a ser o meu calcanhar de Aquiles. Eis que, para meu grande espanto, a barriga começa a levantar com os exercícios. Espanto porque pensei que teria que me desunhar com muita musculação, durante uma infinidade de tempo para ver tal efeito. Às vezes, tinha medo de nunca mais conseguir recuperar completamente essa zona. Agora, percebo que posso sim e muito mais rapidamente do que esperava. ;)

Animada com os resultados físicos e com os efeitos do exercício no meu estado de espírito, dediquei-me à tarefa ingrata de procurar DVDs de fitness. Corri tudo e fartei-me de pesquisar na net. Nunca pensei que fosse tão difícil encontrar (aceitam-se sugestões ;) ). Acabei por comprar 2 dvds. Um que foi um fiasco completo. Um DVd mal construído, num inglês de sotaque ranhoso (é Alemão), com uma musiquinha techno insuportável e, mais ainda, quando pouco tem a ver com o ritmo dos exercícios: " fitness at home: vol. 4" . Outro que não sendo o que procurava, até é engraçado. Na verdade, só o comprei porque a escolha era limitadíssima, mas não me arrependi nadinha. É inspirado nas técnicas de pilates, com exercícios de fortalecimento do core, adaptados ao treino necessário para a dança do ventre: "Bellydance core fitness with Aubre" (em Inglês). Há um tempo atrás, inspirada pelos posts e comentários da Papoila, pesquisei sobre Pilates e fiquei interessadíssima. Não é bem o tipo de exercício que me inspira mais, confesso. Mas achei que as vantagens eram inegáveis e que valia bem a pena experimentar. Os preços das aulas por aqui são demasiado elevados para o meu bolso actual então encomendei um DVD de Pilates para iniciados. Depois conto o que achei. Encomendei outro pela net de cardiofitness. Vamos ver o que sai dali...

quarta-feira, 3 de setembro de 2008

Custou, mas foi ;)

Os últimos dias têm sido muito corridos, pelo que tenho tudo em atraso por aqui e não só. rs Não estranhem a ausência de comentários. Não tarda coloco tudo em dia. Estou com pressa, portanto e só para não deixar aqui o tasco ao abandono, sai um post mais para o telegráfico. Para variar. rss

Depois de uns trambolhões, algum desânimo e uma dificuldade imensa em voltar à ordem, eis que as coisas começaram a entrar nos eixos. A semana passada fui progredindo lentamente, sempre a lutar contra a vontade de abandalhar a coisa. Os últimos dias foram perfeitos. ;) Segunda-feira voltei ao vídeo de localizada e guess what? Já o faço todinho de uma ponta à outra! :))) Com esforço e a suar as estopinhas, mas faço. ;) Eu aqui a pensar que após a paragem tinha regredido imenso e nop, o que me relembrou que o esforço compensa e que, pouco a pouco, as melhorias na condição física são inegáveis. Só por causa disso repeti a dose no dia a seguir. rs E hoje pretendo seguir o mesmo caminho. A continuar assim , em breve, terei bons resultados também na balança. Pelo menos, assim o espero.

sexta-feira, 29 de agosto de 2008

Iogurte de soja caseiro

Experimentei fazer o iogurte de soja em casa. Usei a receita de iogurte da Zá. Como não sabia se resultava com leite de soja, fiz apenas um litro para um iogurte. Utilizei um leite de soja sem açúcar da Alpro e um iogurte/sobremesa de soja do pingo doce que tem lactobacilus. De resto, segui a receita e é realmente prática. Esqueci-me daquilo esta manhã, pelo que ficou umas 14 h embrulhado no forno. rss Mas resultou bem na mesma. :) O lanchinho vai ser iogurte com maçã picada, flocos de centeio e canela. ;) Agora só falta experimentar a receita de leite de soja da Taty. Et voilá, iogurte bem mais económico e saudável, sem o montão de açúcar dos de compra.

Nota: Podem ver as dicas da Zá para colocar a receitinha em prática aqui.

terça-feira, 26 de agosto de 2008

Hora de reorganizar

Quais compras!? Pois..a intenção era essa. Mas em vez de rumarmos ao hiper rumámos ao restaurante. rs Até nem me portei mal com o prato principal (vitela grelhada), mas estiquei-me na quantidade de sobremesa roubada ao gajo e lá foi mais uma cerveja. Ando tótó , bem sei. Para afastar qualquer tipo de culpa, entenda-se, não me apetecia pensar nem me sentir culpada, é mais isso, lá pensei em saltar para a elíptica mais tarde. Mas, depois, saltar com o gajo pareceu mais engraçado, se é que me entendem. rss

Hoje, já tinha metido na cabeça que ia voltar à rotina. Engraçado, sempre achei uma expressão de arrepiar: ro-ti-na. Tipo algo a evitar a todo o custo, que me entediava de morte. Agora, sabe-me bem boa parte dos dias. Sinto-lhe a falta. Organiza-me. Estava decidida a reorganizar as coisas por aqui, a sair para fazer as ditas compras e a fazer uma longa caminhada sem horários e só com os meus botões. Mais do que para fazer exercício, para usar desse tempo comigo mesma, para relaxar e recolocar as ideias em ordem. E bem preciso. De recolocar as coisas nos sitios certos. Ando impossível. Até me custa adormecer. Eu que sou daquelas almas que dorme que nem pedra na maioria das vezes, aconteça o que acontecer. Ontem levantei-me às 2h da manhã, cheia de sono, mas sem conseguir dormir e andei por aqui noite fora. Em parte, ando a sofrer por antecipação que é uma coisa que me tira do sério. Coisa mais estúpida. Entre outras coisas, a cabeça em datas de Outubro que sei que vão ser dose, mas, caramba, já bem basta o stresse e a neura que vou estar nessa altura. Precisava de começar a stressar antes de tempo?! Enfim... Para além do mais, estou com montanhas de coisas em atraso e vou ter que trabalhar com afinco nestes próximos tempos, mas, acima de tudo, vou-me dedicar a mim mesma esta semana. Hora de medidas drásticas. Hora de parar de fugir e de me voltar a centrar nas coisas que importam. Hora de me cuidar.

Claro que hoje já me lixaram o esquema todo. O gajo esqueceu-se de me dizer que a irmã vem cá jantar. Eu gosto dela e fico contente por nos vir visitar. Mas, raios, custava ter dito ontem?! Tinha organizado as coisas de forma diferente e tinha o final da tarde para mim e para a volta a pé que me apetecia dar. Agora é mais sair para as compras e preparar o jantar. Grrr. Homens! O que me consola é que ele também não vai ter o final de tarde que pensava. Vai mesmo aspirar a casa e tratar da roupa que está na corda, que se lixa. Sou má, eu sei. Mas consola-me. rss

segunda-feira, 25 de agosto de 2008

Enfim, em casa

Só para dizer que está tudo bem. Sai um post meio atabalhoado, porque estou de corrida para tratar das compras. rs Volto mais tarde, com mais calma, para colocar as visitas em dia. Regressei esta madrugada a Lisboa, à mi casita e com meu gajito. :)))) Estava a sentir-lhes a falta. Da net também. Primeiro, não tinha tempo. Depois, ficámos sem a ligação à telepac. Grrrrr Já sabem como é, envio de técnicos só em dias úteis e passam logo a questão para a semana seguinte.

A minha mãe regressou a casa a meio da semana. Já está benzita, embora tenha que vigiar o fígado uns tempos. Tudo por causa de um raio de uma carraça que a mordeu. Passei a semana num corropio entre horas no hospital e uma montanha de tarefas em casa. Percebi que quando for grande (rs) não quero ter uma vivenda, muito menos grande, com jardim e piscina, a não ser que tenha dinheiro para pagar a quem trate de tudo. Arre! É que naquela casa não se pára. Principalmente, depois de umas semanas de descuido. Primeiro, com os meus pais fora e depois com a minha mãe doente. O meu pai, coitado, até se esforçou e foi cuidando do básico: tratar dos cães, fazer refeições, tratar das compras, arrumar a cozinha, etc. Mas não se pode exigir mais de alguém que trabalha às 12 horas e mais por dia e, ainda arranjava forma de dar umas escapadelas para ver a minha mãe e cuidar dela quando estava em casa e, depois, tentava passar o máximo de tempo possivel no hospital. Enfim, foi uma lufa lufa a cada manhã, tardes passadas no hospital, o meu pai que ia ter connosco mais tarde, a chegarmos perto das 21h para jantar e coisas para fazer depois. O meu irmão fora, de férias. O gajo da casa em Lisboa, por causa do trabalho. Os meus bébés (os meus gatos que vão comigo para todo o lado) a exigir mimo e as atenções roubadas. Os cães carentes, sem a dona, com ar de cachorrinhos abandonados.

Quando ela regressou a casa passei a ter mais tempo para as tarefas domésticas, mas a ter que andar atrás dela que tem a mania que pode tudo e que já tinha que voltar às rotinas de trabalho habituais. Ufff. Antes assim, claro. rs Foram dias passados a limpar a casa enorme, a tratar da roupa, a cortar relva, a apanhar folhas das árvores, a limpar os espaços dos cães, a arrancar ervas daninhas e o raio que parta. Até gosto das tarefas ao ar livre. Acho graça. Sempre vivi em cidade e em apartamentos. Há 4 ou 5 anos os meus pais mudaram-se para uma zona mais calma, para a vivenda e aquilo sabe-me bem. Relaxa-me andar por ali de botins, com a mão na terra e a fazer coisas que nunca tinha feito antes. Mas, desta vez, não achei graça. Confesso. Era um "tem que ser" a toda a hora. Já andava neura e ainda mais neura fiquei. Nem os jogos de bola com o cão grandão e doidão me animaram como é habitual. Também foram, muitas vezes, um "tem que ser". Ele andava tão tristonho, com saudades da dona e com menos atenções do que o habitual, que o dono também não tinha tempo. Eu não suporto vê-lo de focinho caído, com ar de cachorrinho abandonado. A cadela andava carente também, mas não fica tão infeliz. É mais independente. Encontrei-a já bem adulta, abandonada e levei-a para casa. É uma mimalhona fofa, mas tolera melhor as ausências. Ele foi criado ali desde bebé e é muito dependente. Lá tive que arranjar tempo para as sessões diárias com a bola. Nunca vi um cão com tamanha paixão por jogos de bola. ;) Anda sempre com a bola de estimação atrás. rss Uns dias a jogar à bola e acho que já nem se lembrava da dona. rss Logo que me via era uma alegria só.

E agora, o que importa para aqui. A minha alimentação nas refeições não fugiu do habitual: grelhados, saladas, sopinhas, etc. Fora das refeições fiz vários disparates. Quase todos com queijo e ainda palmei umas bolachitas de aveia. Escusado será dizer que tenho N manchas pelo corpo e estou inchada. No fim-de-semana ainda bebi whisky e uma cerveja. Se houve estragos no peso, não sei. Estou menstruada e vou-me pesar depois. Não será nada por aí além. Mas é significativo porque devia estar a perder, não a aumentar e não fiz nadinha por isso. Não quis saber. Não me interessei minimamente. O estrago só não terá sido tremendo porque há coisas que já entraram na rotina e a alimentação que faço nas refeições principais é uma delas. Já escolho o que como e defino as quantidades sem pensar muito. Agora, os lanches nocturnos são o meu calcanhar de Aquiles, como sabem. Aí tenho que estar sempre vigilante para me saber conter. E não estive. Não comi desalmadamente, mas comi o que não devia. Da minha experiência, sei que, para além de inchar que nem bruta, tendo a engordar com a maior das facilidades sempre que entra trigo e lacticínios na alimentação. Quanto a exercício, não fiz nada. Não se pode dizer que tenha tido uma vida muito sedentária, como podem imaginar pelo que escrevi acima. Mas não tive grande tempo e tive menos paciência ainda. Pensei em dar uns mergulhos pela manhã, também numa de me ajudar a relaxar, mas o raio da piscina estava uma imundíce e não consegui limpá-la de semana. O gajo da casa chegou na madrugada de Sábado e tratou disso. Mas depois preferi ficar a matar saudades nessa noite e dormir até tarde no Domingo do que saltar para a piscina. Até porque o tempo também esteve ranhoso, o que exige logo disciplina redobrada. E eu não estava com nenhuma.

domingo, 17 de agosto de 2008

Post atribulado

Estava aqui a escrever um post meio tristonho, mas os deuses lá em cima devem ter achado que a gaja aqui não está a bater bem. Há tons que não combinam muito com este blogue. E eu até concordo. Sempre gostei mais de o sentir como um espaço que me ajuda a descontrair e a relativizar as coisas, mesmo as mais chatas. Daí que a boa dispoição seja mais habitual.

Dizia eu que os últimos tempos não têm sido fáceis, avizinha-se um período algo complicado da minha vida e, como se não bastasse, a minha mãe adoeceu e foi internada com uma infecção que lhe apanhou os rins e fígado. Lá se foi o regresso à rotina de que falava no post anterior. Vim de armas e bagagens para casa dos meus pais, para uma outra cidade. O trabalho veio atrás. Mas ainda não lhe toquei. A ver se Segunda-feira me começo a agarrar àquela coisa muito a sério. A mammy está melhor. Muito melhor. Mas só descanso com ela aqui. Longe do hospital e pertinho de nós.

Agora o que respeita ao tema aqui do blogue: as tentações p'rá engorda e p'ró disparate são imensas. Desde o queijinho e docinhos vários, à pizza feita pelo pai. Aiiiiiiiii!! O problema não são as tentações, claro. A essas estou habituada e não me costumam fazer grande diferença. Não o suficiente para alterar o rumo estabelecido. Mas agora fazem. Fazem imensa diferença. O problema sou eu. Estou permeável às tentações. Até percebo porquê. Não me apetece pensar. Não me apetece nada. Mas tem que ser. Hora de retomar o blogue. Com pouco tempo ou não, mas vou deixando aqui o registo que, num processo de mim para mim, me obriga a gerir e a digerir. O registo que me faz reencontrar-vos também. Essa é a parte mais engraçada e que faz deste mundo dos blogues um lugar de encontros e partilhas. Desse lado tenho saudades. Sinto-lhe a(s) falta(s). Do outro que me leva ao encontro de mim mesma, não. Mas tem que ser.

Agora a parte com graça. Estava aqui num escreve-apaga nada comum em mim. Costuma ser mais do estilo de chega-aqui-e-desbobina-e-pronto-já-está. rs Mas hoje a coisa tende a sair num tom mais p'ró melodramático que até a mim faz comichão. Vai daí aparece o pai com um garrafão de água na mão e pergunta-me o que fazia aquilo em cima da mesa da cozinha. Respondo sem perceber muito bem o teor da questão. Quando me pergunta onde tinha ido buscar aquilo, lá me viro para o lado e, em tom de enfado, remeto a questão ao gajo lá da casa que, na sua santa ignorância, desencantou o garrafão quando lhe pedi o favor de me ir buscar água. Nem queria acreditar na resposta!!!! Eis que fica clara a questão paterna: Aqui a gaja, no lugar de águinha do luso, bebeu litros, LITROS de água do desumidificador. Isso mesmo. A água que resulta do trabalhinho do desumidificador e que a minha mãe guarda para o ferro de engomar. ehehehe Pode?!! Estas coisas só acontecem comigo. A sério. rsss Já para não falar que estamos no Verão...o desumidificador não tem tido grande trabalho...aquela água tem meses!!! Há telha que resista??? Não dá, né?. Rimos que nem perdidos. E lá voltei a apagar o post. Agora o melhor é nem reler ou este ainda marcha também. ;)

Vou dedicar os bocados livres dos próximos dias (atribulados) a colocar as visitas em dia. Deserta para saber as novidades. ;)

quinta-feira, 14 de agosto de 2008

Regresso em câmara lenta

Estive um tempito com uma amiga que estava a precisar de uma mãozita, mas já estou de volta à minha casita e ao mundo on-line. ;) Estou atrapalhadíssima com o trabalho que ficou para trás. Portanto, voltarei ao blogue na próxima semana. Estou desejosa para saber as novidades, mas as visitas vão ter mesmo que ficar para depois e ser mais em câmara lenta mesmo. Ou isso ou no mês que vem levo uma corrida da minha orientadora. rs

Portei-me indecentemente estes dias. Não fiz um caracol, ando estupidamente ansiosa por motivos justificados e foram vários os momentos em que me vinguei numa fatia de queijo ou uma bolachita que, como sabem, é sempre uma coisa muito inteligente a fazer. Inchei que nem bruta, entre outras coisas, como acontece sempre que entra trigo, lacticínios e outros mimos na alimentação. Entretanto, não sei se já desinchei tudo, mas a balança marca mais um kg e a régua vai voltar aos 19 kg lost. Enfim, cheguei a um daqueles momentos em que preciso de rever comigo mesma a minha relação com os alimentos que me fazem mal. Fui a uma festa de aniversário e cometi a imbecilidade de me esquecer do farnel em casa. A dada altura estava morta de fome e frustradíssima a olhar para mesas recheadas de tudo e mais qualquer coisa e nem um alimento que eu pudesse comer. Uns porque tinham trigo, outros porque tinham leite ou natas, outros porque tinham batata, outros porque tinham milho. Acabei por comer croquetes e um pastel de bacalhau, que feitas as contas era o que criava menos estragos. Também havia coisinhas mais light como queijos frescos, por exemplo. Mas cujo efeito em mim seria bem pior. Portanto,a escolha nada teve a ver com dietas. Provei uma colher de chá de 3 ou 4 doces que o gajo da casa comeu. Ainda assim, inchei que nem bruta, entre outras coisas. De um dia para o outro, pesei mais 5 kgs. Tive que esperar desinchar para me voltar a pesar.

Já me cansa esta conversa. Mas a verdade é que regredi. Nem me refiro ao peso. Esse vem, mas também se vai. Refiro-me à minha relação com esta coisa das intolerâncias. Voltei à fase do cansaço e da frustração. Não estou a lidar nada bem com as refeições fora. Por 2 ou 3 vezes, saídas para compras durante o dia prolongaram-se por umas horas a mais do que esperava e aqueles momentos em que tudo parou para lanchar no café incomodaram-me de sobremaneira. São aqueles sitios em que até podia estar magra que nem um palito e não haveria nada que eu pudesse comer. Esta ideia de não ser algo temporário, mas definitivo é que me lixa. Enfim, acho que preciso mesmo da minha rotina de volta, de parar para reflectir e resolver isto comigo mesma. Mais uma vez.

Beijinhos

quarta-feira, 30 de julho de 2008

Mini-férias!!!!!!!!!!!

De saída para um fim-de-semana prolongado. No geral, conto portar-me bem no que respeita à alimentação. Vou abrir uma excepção qualquer, que ainda tenho que decidir qual (ou quais), no Domingo, data de uma festa de aniversário imperdível. :))))))) Quanto a exercício, duvido que vá caminhar, espero por este fim-de-semana há muitos meses e não quero perder pitada dos planos com amigos e família. Seja como for, um dos meus irmãos mais novos (um cão grandão, doidão e lindão! ) faz-me sempre suar as estopinhas. Logo que me vê, após a agitação e festarola dos primeiros segundos, corre para ir buscar a bola. E pensam quê? Que eu mando a bola e o gajo vai buscar?
Náaa. A brincadeira predilecta implica fintas e muita correria, a ver quem ganha a bola. rsss

Para além do mais, a casa tem piscina e conto nadar, nadar e nadar! :)) Até vou ignorar que vi que a meteorologia anunciava chuva para os próximos dias na zona centro do país...grrrrrr Fingi que nem vi! Humpfff! Era só o que faltava! Oh pá, anda aqui uma gaja há tantas semanas em contagem decrescente, a sonhar com uns dias escarrapachada ao sol...O S. Pedro não ia ser tão mauzinho, pois não?

Beijocas a todas! :)

domingo, 27 de julho de 2008

A recompensa chegou

By the way, esqueci-me de mexer a réguinha: 20 kg lost. :))))

sábado, 26 de julho de 2008

Avaliar métodos e erros - procurando equilíbrio(s)

A Flávia e a Crazy Cat Lady deixaram comentários que levantam questões interessantes de ponderar. A Flávia quando diz que ultrapassar os limites é prestar um de-serviço ao nosso corpo. Não podia estar mais de acordo. Uma coisa é trabalhar para irmos aprendendo a reconhecer os nossos limites, tentando pouco a pouco superá-los, outra é ultrapassá-los com todos os riscos que isso implica. Quando temos uma vida muito sedentária e passamos a exercitarmo-nos isso requer um esforço acrescido ao nosso sistema cardiovascular, articulações, etc. Com peso a mais então, esse esforço é consideravelmente aumentado. Passar do 8 ao 80 é um risco grande para a saúde e comporta também um risco acrescido de sofrer lesões. Sendo que o 80 deve ser avaliado em função da condição física de cada um. Começar com uma hora de uma aula de aeróbica pode ter sido razoável após uma fase em que não pratiquei desporto, mas caminhava muito diariamente e tinha um IMC normal (já para não falar que tinha outra idade). Em Março, com 91,4 kg, sendo que o exercício anterior era levantar o rabo da cadeira até ao estacionamento em frente, essa mesma aula seria excessiva. Claro que eu tenho que ser muitíssimo mais cuidadosa que a maioria pelos problemas associados a lesões antigas. Mas iniciar com moderação e equilíbrio, avaliando a condição fisíca do momento e respeitando os limites é válido para todos. Dar tempo ao organismo para recuperar do esforço e poder voltar à carga, idem.

A Crazy Cat Lady fala noutra questão: actividades aeróbicas como caminhar ou jogging são um bom exercício para a parte inferior do corpo. Na verdade, já noto diferenças nas pernas e nádegas, apesar do muito (mesmo!) que ainda falta. A questão foi mais sentir a necessidade de trabalhar também abdominais, peitorais, bíceps, triceps, etc. Sendo que a parte inferior do corpo também vai beneficiar muito com a introdução de outros exercícios. Mas o mais interessante foi a referência aos resultados quando os exercícios aeróbicos são mal conduzidos. Muita gente convicta de que vai emagrecer mais rápido exagera logo na dose ou prossegue com uma alimentação muito restritiva para o grau de actividade que está a ter. Resultado: perda de massa magra. Acho que vale a pena pensar nisto e nas implicações da perda de massa magra quando queremos emagrecer de verdade e de vez. Emagrecer é muito mais do que perder peso: é perder gordura.

Quando olho para trás, revejo a minha vida e tento perceber os métodos que utilizava para manter um peso minimamente normal, percebo que cometi erros atrás de erros. Não foi à toa que passei anos em sanfonas que começaram com 5 ou 6 kgs. De cada vez, ganhei de brinde 1 kg ou 2. Por fim, já não tinha 5 ou 6 a perder, tinha 10. Nem tenho dúvidas de que isso contribuíu muito quando, mais tarde, com um metabolismo ainda mais alterado com problemas de saúde e com uma lesão que me fez passar a uma vida mais sedentária, engordei brutalmente em tempo record. Isso e todos os maus hábitos que nunca quebrei. Aumentava o peso passava a restringir a alimentação e a exercitar mais. Ao fim de um tempo no peso certo começava a relaxar. Claro. Ninguém sustenta disciplina a mais por muito tempo. As questões essenciais como aprender a alimentar-me com equilibrio e sempre, a criar metas de perda de peso mais lentas e seguras, a exercitar-me de forma adequada, a não descarregar ansiedades em quantidades anormais de queijo, a não petiscar nos intervalos das refeições (etc.), nunca as aprendi. As teorias até as conhecia, mas borrifava-me. O importante era voltar ao peso certo em tempo record, depois preocupava-me com o resto... É pela consciência de tanta tolice que fiz que, volta e meia, volto a estas questões. Nas voltas por aí, percebo que, hoje em dia, com tanta informação que existe, com acesso muito mais fácil à mesma e com tantos exemplos, quer errados quer certos, os mesmos erros persistem. Até em doses bem mais exageradas. Eu até entendo que há coisas que temos mesmo que sentir na pele para perceber, apesar de ser adepta da velha máxima de que não temos tempo na vida para cometer todos os erros, portanto devemos aprender também com os erros dos outros. Mas, convinhamos, boa parte das pessoas com excesso de peso já viveu todas estas asneiras na pele. Faz sentido persistir nos mesmo métodos? Se tivessem resultado não estariamos aqui, não é?

Adaptação à actividade física

No post anterior esqueci-me de esclarecer algo que me parece importante. Não decidi fazer metade e 1/3 das repetições ou adaptar os exercícios por me estar a ser difícil acompanhar o vídeo. Revi-o antes, reflecti o que me parecia a melhor forma e antecipei o que e como ia fazer. Como não conheço bem os limites actuais do meu corpo, já que as referências mais claras que tenho são de há anos com outra forma física e com um peso inferior, decidi logo usar de toda a precaução e que pararia se me sentisse demasiado cansada ou algum tipo de dor. Mesmo as caminhadas, comecei no inicio de Março e os primeiros dias resumiram-se a 1 volta ou 2 no quarteirão. Comecei por subir 3 ou 4 andares de escadas e fui aumentando até subir os 10 andares. Vinha de uma vida absolutamente sedentária, com muito peso a mais, dores nas articulações e zona lombar quando estava muito tempo em pé. Tinha que começar com muita calma. Com a elíptica idem. Apesar das minhas baldices, de não ter a constância nem o empenho necessários para melhorar a minha condição física tanto quanto tinha planeado ou gostaria, fui evoluindo alguma coisa e aumentando o tempo nas caminhadas e na elíptica. Menos regularmente, é certo, fazia abdominais, alongamentos, etc. Isto é, fui preparando o caminho que me permitiu acelerar com alguma segurança nas últimas semanas. Também perdi muito peso, o que fez logo uma diferença imensa.

Voltando ao dia do vídeo, fui caminhar nesse dia, mas antecipei um percurso bem mais soft e com menos de metade dos kms dos definidos para os dias anteriores. Resultou bem porque no dia a seguir estava algo dorida, mas nada que me incomodasse por aí além ou me dificultasse algum tipo de movimento. Mas senti que o corpo começava a acusar o cansaço das últimas semanas. Comecei a sentir depois de Sábado, dia em que decidi conhecer uma zona nova, distraí-me e exagerei. Andei sempre em direcção oposta à minha casa e nem me ocorreu que depois teria que refazer todo o percurso... coisas à Marisa... rs Andei uns 15 ou 16 kms, com subidas à mistura e os últimos custaram-me. Domingo suavizei para compensar. Mas ainda assim, depois do vídeo, acho que a coisa acumulou. Talvez mais por estar menstruada, não sei. Nesse dia a volta foi curta e nas calmas, só para não parar abruptamente. No dia a seguir acabei por me dar o dia de descanso. Ontem estava como nova. ;) Voltei ao vídeo e senti muito mais energia. Fiz mais um pouquito que da primeira vez e hoje acordei como se não tivesse feito nada. Agora sei que posso aumentar mais as repetições e em segurança. Para mal dos meus pecados, não tenho desculpas para não me cansar mais do que ontem....ehehehe As caminhadas prosseguem, claro. Mas a um ritmo adaptado.

Estes dias andei pouquinho por aqui. Este fim-de-semana vou colocar as leituras em dia e saber as novidades por aí. ;) Beijinhos e obrigada pelo incentivo no post abaixo.

segunda-feira, 21 de julho de 2008

A inaugurar uma nova fase

Ontem tive um momento de tristeza no provador de uma loja. Não pela roupa. Essa não comprei porque estava grande e não havia números abaixo. rs A questão foi o sem roupa mesmo. Raios daqueles espelhos que mostram cada marquinha, sinalzinho e pelinho perdido da última depilação. Vim para casa a perguntar-me como estava o meu corpo com o mesmo peso, mas em processo de engorda. Provavelmente, melhor. Com uma melhor relação entre massa magra e massa gorda. Posso perder mais peso e não necessariamente toda a gordura que está a mais. Daí comecei a pensar na quantidade de falsas magras que existem e percebi que não quero isso. Quero alterar a minha constituição corporal. Não tenho ilusões. Sei que não vou voltar a ter o corpo de antes. Os maus tratos a médio e longo prazo têm um preço. Tudo bem. Nunca tive a necessidade de ter um corpo perfeito para me sentir bem. Mas, caramba, posso ficar muito melhor do que estou e não é só com a alimentação ou exercícios aeróbicos que vou conseguir isso. Portanto, hoje iniciei uma nova fase. Já aqui tinha falado num vídeo antigo que juntava musculação, localizada, alongamentos, etc. Andava há uma série de tempo para o rever e procurar os meus pesos. A engonhar, como é hábito. Hoje acabou a parvoíce. Comecei.

Claro que não o consigo fazer todo. Aquilo é violento. Portanto, adaptei. Tentei concentrar-me na execução correcta dos exercícios mais do que em acompanhar o ritmo e, mesmo assim, vi-me grega. Alguns exercícios fiz metade das repetições, outros fiz 1/3. Os mais problemáticos adaptei para formas menos exigentes. Não vale de nada querer fazer mais do que a minha péssima forma permite. Amanhã mal me ia mexer. Logo nos primeiros 5 mns ocorreu-me parar e deixar para quando estivesse em melhor forma. rss Mas fiz até ao fim (cerca de 1 hora) e não foi assim tão complicado. Complicado é desistir de nós mesmas.

Mais tarde, vou caminhar, como tenho feito todos os dias. Amanhã vejo como me sinto e decido quantas vezes por semana vou fazer o vídeo nesta fase inicial. Quanto à pesagem, ontem e hoje não subi à balança porque me veio o período. Mas estou capaz de apostar que emagreci nesta semana. ;)

sexta-feira, 18 de julho de 2008

Peso e emagrecimento

Descobri outra forma de monitorizar as minhas evoluções nas caminhadas: Google earth. Tem uma ferramenta que permite marcar os percursos e contabilizar os kms. Comecei a fazer menos kms, mas mais a sério, a melhor ritmo e sem pausas: Passei aos 8 kms e agora aos 9 kms. E estou a gostar! :)) Ando a tentar convencer o gajo da casa a tornar-se adepto das caminhadas..tarefa difícil..rsss Quanto estiver mais preparada e com os tendões mais habituados ao esforço, quero tentar um jogging soft. Gostava que ele viesse . Ele está em melhor forma que eu, mas, ainda assim, só lhe fazia bem. Se não vier, azarito. Vou eu. Ele é que perde. Já lhe disse: daqui a uns anos 'tou eu toda fresca e ele todo "ai" e "ui", com a idade a pesar-lhe. (tão má...) ehehehe

Como sabem, peso-me quase todos os dias, mas só registo de tempos a tempos (a cada 8/10 dias). Já aqui tinha explicado em tempos que o acto de subir à balança é algo que me ajuda a focar e a organizar-me mentalmente. Hoje pesava mais 200g do que ontem. Há 3 dias pesava mais 600g e isto é habitual. Então a gaja alimentou-se direitinho, caminhou kms e engordou 200g?! Claro que não, né? Não seria possível e a roupa também me diz o contrário: está cada vez mais folgada (as calças novas não tarda precisam de reforma..). E falo nisto porque? Chego à conclusão, nas voltas por aí, que a balança é hiper-valorizada. Mas há muitas razões para, em determinada altura, o peso não descer ou até mesmo para subir que não o ter ganho gordura. Muitas meninas na mesma situação já estão a desanimar e a achar que não vale o esforço. Mas vale! Vale porque se tem uma vida mais equilibrada, saudável e isso traz-nos bem-estar. E vale porque, com o tempo, a balança acaba mesmo por colaborar.

O corpo é uma máquina inteligente e tramada, não gosta de perder reservas e resiste quando se sente em privação. Por isso, não é bom descer logo muito o número de calorias ingeridas ou aumentar muito, de uma vez só, as dispendidas (relativamente às ingeridas). O corpo entra em alerta, começa a tentar compensar as perdas e o metabolismo acaba por descer. Mesmo não tendo feito nem uma coisa nem outra ( subo sempre um pouco a quantidade de comida nos dias mais activos), nem sempre o peso desata logo a descer. Tem sido sempre assim. Agora estou em TPM, mas quando não estou, acontece o mesmo com frequência. Desce, flutua uns tempos e depois desce mais e de vez. É uma das razões porque não costumo registar aqui as gramas, apenas os kgs perdidos. No último Domingo levava 400g de avanço. Hoje tinha 200 dessas 400, se estiver assim daí a uns dias, não preciso mexer na réguinha e aposto que em breve volto a registar menos um kg com mais umas gramas de avanço. Se não for Domingo ou Segunda, será no final da semana ou na outra semana. Não interessa. Mas se continuar a fazer as coisas certas, o peso vai mesmo descer! Isso é que importa!

Por isso, meninas : Nada de desanimar! A equação é simples: alimentação equilibrada + actividade fisica = emagrecimento. Se a coisa não acontece logo ou ao ritmo que se espera, não se ralem muito. Continuem! Porque o resultado da fórmula só pode ser esse: emagrecer. No entretanto, ganharam-se muitas coisas: uma forma de estar mais equilibrada, uma alimentação mais saudável e sem neuras, melhor forma física, etc. Quarta-feira saí com umas amigas minhas e achei graça. Os primeiros comentários delas não tiveram a ver com o peso em si, apesar de ser visível que perdi mais uns kgs desde a última vez que as vi. Tanto que isso foi comentado, claro. Mas a surpresa, foi o meu aspecto. Acharam-me com um excelente ar e que há muito que não me viam assim. E é verdade. Há muito que não me sentia assim e estou com melhor aspecto, sim. Até já podia ter perdido mais uns kilos, restringindo mais a alimentação (ainda tenho larga margem para isso), mas duvido que andasse tão bem. Não troco este bem-estar por uns kgs a menos mais rápido. Nada disso. E o que perder é para ser de vez, sem andar depois doidinha com a balança e a comer que nem passarinho, sempre em risco de aumentar tudo outra vez.

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Com pouco tempo...

Meninas, ando meio atrapalhada e tenho visitado as capelinhas a passo de caracol. Nem sempre comento para fazer render o tempo, mas esta semana já vou colocar a coisa em dia. A Teen tem continuado por cá e ontem tive cá o Piquitito (chamo-lhe assim porque é pequenino - 6 aninhos- e uma fofura). Ele estava mortinho de ciúmes porque a mana tem estado cá e tive que lhe dar atenções redobradas para o compensar. rss Para além de que curto aproveitar o melhor possível cada momento com ele. Afinal, nestas idades cresce-se tão rápido e eu, na minha condição de tia emprestada, não quero perder nadinha. :)

Ando empenhada e animada com as caminhadas. Tenho caminhado uns bons kms (até já começo a ter vontade de comprar um pedómetro) e tenho feito um esforço maior a cada dia: acelero o passo, escolho percursos mais puxados, etc. Ainda não voltei a fazer elíptica, mas tenho feito outros exercícios. Hoje a Teen foi namorar (paixão aos 14 anos é fogo..rss), o gajo da casa mandou-me dar uma curva e eu fui sozinha como era habitual. Uns dias acompanhada e já estava na parvoeira de que estava mole e não me apetecia ir sozinha...Dah! Mas obriguei-me a ir e ainda bem. Cheguei à conclusão que, neste momento, o gajo e a Teen atrasam-me o passo. rs Sem eles, consegui caminhar muito mais rápido e no ritmo certo: ofegante q.b. - ainda capaz de atender o TM ou falar para o lado. Sem eles consigo fazer mais uns kms e testar limites. Eles começam logo a choramingar que cansa. rs Sem eles posso alternar terrenos planos com grandes subidas e descidas. Acho que senti tudo que era músculo..não sei como aconteceu mas até os abdominais senti. Cheguei a casa bastante cansada, mas com pica para os alongamentos, abdominais e afins.

A partir de amanhã, vou começar a levar o medidor de frequência cardíaca. Tem estado na caixa porque não era o momento de o usar, mas agora já começa a fazer sentido caminhar na frequência cardíaca alvo e começar a trabalhar mais a parte cardiovascular. Descobri uma zona porreira onde estavam uma série de pessoas a correr nas calmas e senti vontade de as seguir. Bateu o bichinho..as saudades. Se não fosse a consciência de que não vale a pena exagerar a dose e ficar depois de pé para o ar, acho que o tinha feito. Mas a minha cabeça deu logo N voltas enquanto pensava se seria possível fazer um jogging bem soft em piso plano daí a umas semanas. Talvez seja sonhar alto demais, já que tem um grande impacto nas articulações, mas quem sabe?! Desistir antes de tentar não tem graça.

Uma breve nota para dizer que, ao contrário da natação, nunca tive prazer no acto de correr em si. Cansa, faz suar, perder o fôlego, etc. rss No entanto, em tempos, não conseguia deixar de o fazer. Adorava a sensação pós-jogging e também aquela pica de nos superarmos: conseguir mais um bocadinho, ter cada vez mais fôlego, etc. Foi disso que senti saudades.

Acho que de tanto tentar convencer a Teen dos benefícios do exercício em geral e das caminhadas em particular, acabei mesmo por aderir à "operação boa forma". rss E até estou a achar graça. Estou impressionada com a capacidade de recuperação do organismo. O corpo humano é mesmo uma máquina fantástica. O pé está a reagir melhor, sinto que a cada dia tenho mais fôlego, as pernocas e rabo estão a enrijecer (o ritmo dos efeitos a este nível é o que mais me impressiona) e, o melhor de tudo, chego a casa com aquela sensação boa de ter dado mais um passito para melhorar a minha condição fisíca. E não menos importante: a satisfação de estar cumprir os compromissos que assumi comigo mesma. Quanto à alimentação voltou a andar sobre rodas. Boa fase!

Os comentários ali mais abaixo, fizeram-me pensar e deram muita força para eu começar a ganhar juízo e a investir mais de mim na parte que mais falta fazia. Obrigada e um grande beijo a cada uma!

domingo, 13 de julho de 2008

Pesagem

E a réguinha vai registar menos um kilito!!!! :)))
Até teve um sabor diferente por sentir que foi fruto de me ter empenhado com as caminhadas e afins. 'Tou feliz!

Aliás, só pode mesmo ser das caminhadas que aqui a inteligência saloia comeu que nem parva antes de se ir deitar umas 2 ou 3 vezes esta semana. Tudo iogurtes e tostas de arroz com atum ao natural e salada. Sim, leram bem, até saladas me apeteceu comer às tantas da noite. Claro que em dose adequada era sem problemas , tudo coisas leves. Mas comer até empaturrar já é uma imbecilidade. Entretanto dei-me conta que estou em TPM. Esqueço-me sempre destas coisas. Vou começar a estar mais atenta. É que quando me dou conta começo logo a preparar-me mentalmente para enfrentar as ansiedades e desejos de atacar o frigorífico. Por outro lado, o facto de estar em TPM deixa-me ainda mais contente por ter perdido peso. É que realmente já se nota a diferença. Ontem todos os que vieram cá a casa comentaram assim que me viram que eu estava mais magra e só não me viam há uma semana.

Já tenho mais um incentivo para prosseguir firme nas longas caminhadas. E outro: as pernas estão a ficar mais rijitas. Ainda para mais, convenci a teen a ir comigo mais uns dias na próxima semana. Deu-me uma trabalheira porque para ela exercício é teclar no msn e hi5 ou levar o garfo à boca. Mas lá a convenci que isto era a operação boa forma verão 2008. ehehehe (tradução: vencida pelo cansaço)

sábado, 12 de julho de 2008

Chá de sumiço

Pois.. o tempo é curtinho e continuo destronada da net. Agora o portátil já tem net e o meu PC passou-se. Não consigo abrir o internet explorer!! Grrr Ninguém merece! Resumindo: a teen açambarcou o portátil. rss Entretanto foi passar o fim-de-semana fora com os pais, mas eu tenho cá família estes dias e continuo com poucas oportunidades para vir aqui.

Os comentários abaixo deixaram-me a pensar, deixaram. Com tempo falarei nisso. Obrigada a todas! :)

Deixo só uma novidade: tenho caminhado muito e religiosamente. A dada altura, o pé passou-se com o exercícios (também se passa frequentemente em alturas em que não faço nenhum). Num dos dias inchou muito mais do que é habitual e doeu mais também. Passei o serão a pomadas e gelo. Então decidi manter as longas caminhadas e parar a elíptica (o movimento força mais os tendões). Mas estou satisfeita com o que tenho feito porque acho que tenho feito o melhor que posso. Era isso que queria poder dizer para mim mesma. Acho que se continuar a andar assim, em breve, consigo retomar a elíptica. É uma questão do pé se adaptar. Já está melhor.

Só uma nota e para não se preocuparem: eu não ignoro que a dor e inchaço são sinais de que algo não está bem. Mas a inflamação crónica dos tendões provoca isso quer eu me mexa ou não. O que não é normal para mim é haver um dia em que não tenha algum tipo de dor (costumam ser softs) e desconforto. Aprendi foi a desligar. Em dias em que vou às compras, faço as limpezas ou outros esforços, inchar um bocado é habitual. Outros dias posso não mover uma palha e o pé incha só porque sim. Portanto, inchar e doer mais quando me exercito é o esperado. Abrando quando passa o razoável.

Em breve estarei de volta e vou visitar-vos a todas para saber das novidades.
Beijinhos e bom fim-de-semana

terça-feira, 8 de julho de 2008

Era uma vez a piscina

Pois é..a piscina municipal aqui da zona é para esquecer. Pelo menos, por agora. Vejam lá se isto é normal: para fazer natação LIVRE (entenda-se sem aulas e sem professor) tenho que pagar 25 euros de inscrição (???) e comprar um cartão de 25 euros para utilização. Cada utilização equivale a 1h15 contada desde o momento em que se chega à recepção até ao momento em que se passa pela mesma à saída (não se chega a nadar 60 mns sequer) e custa a módica quantia de 2,40 euros. Aquilo é uma piscina MUNICIPAL. É suposto pagar-se um pouco menos que nas privadas, não? Querendo passar a ir diariamente como fazia há anos (noutra zona) vejam lá quanto é que me saía por mês. Mas o melhor ainda está para vir. Até pensei em fazer nesta altura e, mais tarde, em melhor forma, ir para o ginásio como tinha planeado antes. Mas não posso. Ou melhor posso. Posso pagar os 25 euros de inscrição e outros 15 euros ainda este mês para renovação anual da inscrição, já que consideram que é a data em que se inicia o novo ano. Em Agosto estará fechada e o novo ano inicia-se em Setembro.

Já perguntei a uma série de gente, já me fartei de pesquisar e público ou privado não parece haver nada para aqui. Já liguei para outras zonas, mas ou estão encerradas ou ficam demasiado longe. Enfim, amanhã ainda vou a um heath club aqui perto (a excepção: tem piscina) para descargo de consciência, mas duvido que seja para o meu bolso.


Seja como for, tal como nos últimos dias, caminhei uns bons kms e ainda fiz elíptica. Mas agora tinha metido na cabeça que ia para a piscina e confesso que estava muito entusiasmada com a ideia. Estou fula! As câmaras municipais não deveriam ter a obrigação de incentivar a prática desportiva?? Grrrr

Ponto de situação

Meninas, obrigada pelas palavrinhas e incentivo. Ainda não tive oportunidade de correr as capelinhas e comentar. Fui destronada da net. rss A minha teen linda ( a menina da matemática) está a passar uns dias connosco e açambarcou o meu PC. O PC do gajo decidiu não arrancar e, por algum motivo que me escapa não consegui ligar a net no portátil. Estão a ver a minha irritação?! Enfim, devem ter sido os deuses a conspirar para eu não me distrair do trabalho. rss Não tarda, vou ceder-lhe este PC outra vez. Afinal, a miúda tem que se distrair. ;)

Agora aquilo que queria falar. Eu comecei com os exercícios há muito tempo. A questão é que não me tenho dedicado o suficiente. Nos últimos tempos houve uma série de dias em que voltei a não fazer nenhum. Claro que estava com a família em casa e o tempo estava curto. Mas isso também não deixa de ser uma desculpa. Conheço-me bem e sei que se tivesse metido na cabeça a sério teria saído para caminhar nem que fosse à 1h da manhã e teria cumprido o programa na elíptica nem que fosse às 2h. Portanto, baldei-me porque aproveitei a desculpa. Há muito tempo que tinha deixado de utilizar o elevador. Excepção feita para quando chego sózinha e carregada com compras. Quando venho com o gajo mando-o com as coisas pelo elevador e eu subo a pé. rs Moro num 10 º andar e acaba por ser mais um treino. Quanto mais não seja de força e isso é algo de que preciso de desenvolver por causa dos problemas no pé. Desde que o calor começou a apertar comecei a baldar-me e a utilizar cada vez mais o elevador. Com as caminhadas, comecei a fazer a coisa pelo menor esforço. Andava um bocado na molenguice e, pronto, já chega, vou para casa. Não me dou bem com os primeiros tempos de calor, desce-me a tensão e tendo a ficar molengona. Mas poderia ter feito as coisas à noite. Não me apeteceu. O resto são desculpas. Já tive fases bem piores e em que me exercitava a sério e regularmente. Nunca fui muito de ceder às dificuldades quando estou motivada. Nas últimas semanas também fiz abdominais, exercícios de braços, alongamentos, etc. Mas não fiz nada com a constância necessária para evoluir. Nuns dias faço noutros não. Nuns dias esforço-me alguma coisa noutros não.

A Flávia escreveu ontem um post em que falava na disciplina e constância com os exercícios e é isso que me tem faltado. Isso e algo que já tinha falado aqui em tempos: o desejo de me superar. Para mim, isso é critério fundamental para voltar à forma. E quando falo em voltar à forma não me estou a referir apenas a chegar à minha meta em termos de peso, mas, acima de tudo, a voltar a ter uma boa forma física. Algo um pouco mais parecido com o que tinha anos atrás quando corria ou nadava diariamente. Para isso, não tenho trabalhado o suficiente, nem nada que se pareça.

Já devem ter reparado que não sou muito de me ficar a chorar. Esse foi o erro que cometi nos últimos anos e não pretendo voltar a repeti-lo. Domingo e ontem dei mais de mim e esforcei-me. Mas sinto que a coisa continua a não estar interiorizada e sei que enquanto não estiver não vou ser disciplinada o suficiente nem vou evoluir. É a mesma coisa com a alimentação. Enquanto não temos a coisa bem interiorizada, passamos o tempo a esbarrar com tudo o que é porcaria que não podemos comer.

Nos últimos tempos, pedi aos meus pais para me trazerem o meu equipamento dos tempos em que nadava. Andei a digerir a coisa e vou mesmo engolir a vergonha de arrastar as banholas em fato-de-banho. rs Umas semanas a nadar e suavizam as razões da vergonha. ;) É o meu exercício favorito e, portanto, parece-me mais fácil manter a disciplina necessária para começar a evoluir. Foi o que fiz em tempos, após um período mais sedentário, quando quis começar a correr. Comecei por nadar diariamente e, aos poucos, fui introduzindo a corrida. Os benefícios da natação foram-se reflectindo e fui conseguindo desenvolver cada vez mais a resistência na corrida. Hoje não poderia fazer as coisas da mesma maneira nem ao mesmo ritmo por causa do pé, mas sei que posso conseguir muitíssimo mais do que até aqui. Na lesão mais complicada, quando larguei as muletas, após 6 meses, também achavam que eu não ia conseguir fazer muita coisa. Mas logo no primeiro mês de fisioterapia comecei a sair paragens antes no autocarro e a ir a pé até lá. A cada semana saía mais longe. Em pouco tempo, passei a fazer bicicleta estática em casa e a fisiatra acabou por concordar. É muito fácil darmos desculpas de falta de tempo, de tensão baixa com o calor ou do raio que parta. Quando não nos dispômos a investir qualquer desculpa serve. Mas quando queremos mesmo vamos ultrapassando com calma e persistência cada obstáculo. Eu superei-me sempre que quis e o que me incomoda é a falta desse desejo. Eu digo que quero, porque racionalmente quero. Mas, lá no fundo, não quero, porque se quisesse fazia. É mais cómodo ficar abancada no sofá e dar azo à preguiça.

Acabou-se o tempo de antena da choraminguice: Hoje mesmo vou à piscina aqui da zona informar-me das condições. Quero começar amanhã.

domingo, 6 de julho de 2008

Aleluia!

Eu não dizia que tinha que pesar menos?! A réguinha vai passar aos 18 kg lost. :)) E está pertinho dos 19 kg.

Fogo pá...no inicio de Março ainda tinha tantos medos. Acho que lá no fundo tinha medo de serem kgs a mais para perder e que as coisas não corressem bem. Agora, não tenho dúvidas de que se eu quiser chego à minha meta. Também já não tenho dúvidas de que eu quero. Haverão momentos mais difíceis, de perdas cada vez mais lentas, de plateau, etc. Mas eu sei que é possível e que posso chegar lá. Já sabia racionalmente ou jamais teria colocado aquela réguinha ali em cima. Mas de saber com a razão a senti-lo com emoção vai uma certa distância. A Mary disse um dia aqui que a melhor motivação para emagrecer é o próprio emagrecimento. E é mesmo!

Agora só falta ganhar juízo e esforçar-me mais com os exercícios. Shame on me. Tantos bons exemplos e eu tão preguiçosa...a fazer as coisas pela lei do menor esforço..ai! Vou reflectir bem essa questão. Na alimentação acho que já encontrei algum equilíbrio que me permite andar mais um pouco. Falta procurar de verdade um equilíbrio com o resto. Ainda não percebi bem porque resisto tanto a voltar à forma. Ainda não percebi se é só da minha preguiça intrínseca (rs) se continuo a negar a lesão do pé e as coisas que não voltarei a fazer (como correr em terrenos acidentados como fazia antes da lesão, por ex). Vou resolver isto. Já não tenho pachorra para mim mesma. Não vale de nada uma pessoa chorar-se do que não faz, tem é que passar a fazer. Cada um escolhe o seu caminho. Tenho que escolher o meu.

Boa semana para todos!! (acho que é mais todAs.. mas 'tá bem rsss)

sexta-feira, 4 de julho de 2008

Fase Melão I

O que esqueci de dizer ali em baixo: apesar de perder mais 11 cms de cintura, as ancas ficaram basicamente na mesma. Aposto que se tivesse medido teria visto menos cms de panturrilha e acima do joelho, mas as coxas quase na mesma. Estão a ver a tourada que é encontrar calças né? O tamanho 44 faz uns foles estranhos e nem queria experimentar o 42 convicta de que não me ia servir. Depois lá acabei por comprar um 42 com lycra. Grrrr (eu queria uns jeans SEM lycra).

Bom fim-de-semana! :))

De volta à tagarelice

Alguém me enfie um par de estalos da próxima vez que eu me auto-amordaçar, 'tá? rs Disse ali em baixo que não voltava a escrever neste blogue antes de responder às brincadeiras todas! Ainda por cima, depois de ter escrito, tive uma vaga ideia de já ter dito qualquer coisa do género há uns tempos..............(vergonha total)........nem tive coragem de ir confirmar. Prefiro ficar na ignorância. ehehehe Tss Tss...coisa mais feia, mulher sem palavra. rs Agora, está tudo respondido. Acho. Amanhã confirmo. ;)

O problema? O problema é que chega uma gaja a casa cheia de vontade de desbobinar e escarrapachar uns dislates no blogue e não pode. Depois responde a tudo, entretanto vem o sono e não conta as novidades. rs Deixo só uma: A minha balança está doida ou o meu corpo está doido. Mas alguém pesa o mesmo após um belíssimo jantar que pesava em jejum?!! Tenho acordado tão inchada... Que raiva! Não se assustem, não tenho o hábito de me pesar após refeições. A maluquice ainda não chegou a tanto. ;) Nos últimos 2 dias decidi pesar-me em vários momentos do dia, porque ando mesmo com a mania que emagreci qualquer coisita e que tenho que pesar menos do que a balança diz de manhã. Anda num cima abaixo que é de colocar os cabelos em pé. Hoje, de raiva, após o almoço, peguei na fita métrica. Não lhe tocava há quase 2 semanas. Tive que me medir 4 ou 5 vezes para ter a certeza de que estava a ver bem: perdi 11 cms de cintura!!!! yeaaahhhh! Não perdi tanto peso assim nestas 2 semanas, mas, pelos vistos, perdi imenso volume. :)))))

Amanhã conto o reverso da medalha: da fase Sancho Pança passei à fase melão. ehehehe É isso mesmo. Ganhei um corpo melão. Estão a ver? Aumenta do meio da perna até quase à cintura? Ninguém merece! E arranjar calcinhas? Hum?? Uma aventura! Só vos digo, o gajo da casa já não gostava de me acompanhar nas compras, depois desta, acho que nem o meu melhor sorriso e o meu tom mais doce o vão convencer. Na primeira loja achei que o problema eram os modelos das calças. Na segunda percebi que o problema era a modelo aqui. rsss

quinta-feira, 3 de julho de 2008

Brincadeiras- parte II

Esta brincadeira foi passada pela Luna e pela Vânia.

1. Qual a sua palavra favorita?
Empatia
2. Qual é a palavra que você menos gosta?
Falsidade
3. Qual é o seu som favorito?
Bebézocas a palrar. Derretem-me. rs
4. Qual é o som que mais odeia?
Gritos em discussões
5. Qual é o seu palavrão favorito?
Hum...sou uma malcriadona. rss Adoro o poder de descarga de um belo palavrão. Melhor nem dizer... qualquer um serve mesmo. rs
6. O que te anima?
Ter objectivos
7. O que te repugna?
Gente que passa por cima de tudo e de todos para conseguir o que deseja e gente que inveja todas as conquistas dos outros.
8. Qual outra profissão, fora a sua, você gostaria de ter?
uma outra que me estimulasse, mas com melhores condições de trabalho e mais estabilidade
9. Qual profissão você nunca gostaria de ter?
Qualquer uma que implicasse um trabalho solitário e muito rotineiro
10. Se existir o Paraíso, o que você gostaria de ouvir Deus te dizendo quando você chegasse à porta do Céu?
Não estiveste mal. Esta foi só uma das muitas vidas que vais viver. rss

Hum..acho que já vi isto em quase todos os blogues. Vou passar à Tammi, à Lanky e à Estela

Dicas práticas

Brincadeirinha passada pela Vanessa. Consiste em responder um questionário de como você cuida de sua beleza. Se quiser pode citar nomes de produtos.

Achei graça a este questionário porque, como disse ali em baixo, nos tempos de engorda os meus cuidados resumiam-se à higiene, ao hidratante do rosto (sou daquelas almas de pele sensível que faz cieiro na cara o ano quase todo, portanto não pode passar sem o creme) e ao óleo para bebé passado após o banho (o que dá menos trabalho a aplicar e para evitar a descamação das pernas - pele seca- que me dá uma comichão danada). Quando decidi emagrecer, decidi que tinha que voltar a cuidar-me a todos os níveis. Começou com o medo da falta de elasticidade da pele para acompanhar a perda de tantos kgs e passou para o desejo de me cuidar e ficar no meu melhor (possível).

1. Como você cuida dos seus cabelos?
Tenho o terrível hábito de lavar o cabelo diariamente. Por mais que tente não o fazer para não aumentar a secura natural dos ditos, não resisto. rs No dia-a-dia uso apenas shampôo e amaciador reparador. Alguns dias da semana uso uma máscara hidratante e reparadora para cabelos secos. Para pentear uso um creme alisante. De vez em quando, uso uma para definir caracóis (tenho cabelo ondulado). Ando a tentar mentalizar-me a fazer uma vez por semana uma máscara com óleo de amêndoas doces. Resulta lindamente, mas não tenho tido grande paciência.

2. Como você cuida da pele do seu rosto?
Manhã: uso um gel de limpeza específico no banho (preguiça de usar o leite de limpeza rs). Passei a usar contorno de olhos anti-rugas (melhor prevenir que remediar) e filtro solar 40 (renovo ao longo do dia).
Noite: leite limpeza e tónico (a preguiça fez-me mudar para um daqueles 3 em 1 rs), hidratante e o mesmo contorno de olhos.

3. Você costuma utilizar maquilhagem?
Não diariamente (já usei), mas quando me apetece. Gosto de maquilhagens leves. Uso base, sombras, blush e rimel. Baton só gosto de me ver com tons castanhos, aplico levemente, retiro o excesso e realça o tom natural. Outras vezes uso brilho apenas. Quando quero algo mais visível aplico lápis nos olhos ou eyeliner.

4. Quais os cuidados que tem com o resto do corpo?
Agora, vários. rs Esfoliação algumas vezes por semana. No banho uso uma esponja de massagem tonificante e/ou luva para a celulite (aquelas com pitons). Hidratante refirmante 2 vezes por dia, aplicado com massagem. Em algumas alturas uso também creme anti-celulite ou modelador. Quando tenho paciência faço envolvimento com argila verde (preparada em casa) e, em seguida, aplico óleo de amêndoas doces. Não faço há umas semanas. Mas quero voltar a fazer, pelo menos, 1 ou 2 vezes por semana, porque gostei dos resultados. Não gosto é da lixarada que se instala no WC . (quando for grande quero uma empregaaaadaaa rss)

5. Você se sente bonita quando...poderia dizer quando estava longe da obesidade e me cuidava. Mas já me sinto bem quando escolho roupa que me valoriza no estado actual e me preocupo em sair com uma imagem minimamente cuidada. Um dos legados da obesidade foi o oposto: não me cuidar e desinteressar-me completamente pela minha aparência. Portanto, sinto-me bem e fico feliz quando me cuido, apesar de não estar com o corpo que gostaria. Aliás, faço questão de ter mais cuidado e atenção a esses aspectos, exactamente para ter sempre muito presente a importância de nos valorizarmos e nos sentirmos bem com a nossa aparência. Isso estimula-me a querer melhorar, a querer emagrecer e a voltar à forma.

Vou passar à Ana, à Papoila, à Victória, a Flávia e à Taty Carioca.


5 lanchinhos light

Esta brincadeira foi passada pela Fofolety . Como devem imaginar, não sou a pessoa ideal para falar nas opções de lanchinhos light. rs A minha preocupação principal é encontrar alimentos que não colidam com as intolerâncias alimentares mais do que as opções mais light. Isso reduz tanto as opções que não dá grande margem para variações ou paciência para preocupações de se o leite de soja X não é o que tem menos gordura ou o Iogurte Y tem açúcar. A segunda preocupação é compôr refeições que ajudem a manter a insulina sossegadita (por causa da tendência à produção descontrolada), por isso, tento que os lanchinhos tenham sempre proteínas e hidratos de carbono complexos. Tento não fazer lanches só de frutas ou similares.

1. iogurte de soja com 2 ou 3 colheres e sopa de cereais integrais (Quinoa, por ex).

2 Tostas de arroz integral sem sal (também lhe chamam bolachas e galettes) com salpicão de peru ou similar

3. Tostas de arroz integral (ó prá variedade rss) com atum ao natural. Às vezes, tempero com um fiozinho pequenino de azeite, sal, alho em pó, pimenta e/ou oregãos.

4. Gelatina (ando a tentar aprender a gostar, mas ainda é um esforço..rs). Frequentemente, incluo tostas de arroz ou fruta

5. leite de soja e o raio das tostas de arroz com salpicão de peru

É isto basicamente. Quando me farto de comer sempre as mesmas coisas, chego a comer as tostas de arroz com um resto de peixe grelhado ou outra coisa do género. O que me lembrar. Até saladas como.

Vou passar à Vanessa, à serei magrinha e à .

quarta-feira, 2 de julho de 2008

Antes tarde que nunca....rs




Ando com menos tempo ainda do que esperava. Nem tenho conseguido acompanhar devidamente e comentar nos vossos blogues. Hoje estou de corrida e tenho um jantar mais tarde, para não variar. rs Amanhã começo a colocar a leitura em dia (já estou com saudades...) com mais atenção (tenho lido de corrida e meio na diagonal) e em breve estarei de volta aqui ao tasco. Fiquei muito contente com os comentários. São todas umas queridas, é o que é. ;)
Tal como prometido, vou fazer as brincadeiras todas, em partes (..rs) e por ordem de chegada. Fiquei verde quando vi no meu notepad o que tinha por lá em atraso.
Super blog light
Esta foi uma das primeiras brincadeiras que recebi e teve um sabor especial por isso e porque veio de alguém que tem feito um percurso muito interessante, recheado de conquistas, e que me acolheu logo neste mundo da blogosfera light com comentários muito simpáticos e estimulantes: A Estela .

Eu sou super: determinada quando tomo uma decisão clara e firme a respeito de alguma coisa. O problema é o tempo que levo em banho-maria, no decide-se ou não. rss
Meu blog é Super: Nem eu sei bem ainda.. Quando descobrir, conto-vos. rss
Superlight é: fazer naturalmente escolhas saudáveis e equilibradas
Supergostoso é: conseguir apreciar uma refeição deliciosa com a devida moderação
Superchato é: fazer tudo certinho o dia inteiro e depois, num momento inpensado, deitar tudo a perder
Superação: Conseguir pouco a pouco transformar os entraves e barreiras que fui construindo à minha volta no processo de engorda.
Superblogs: Não conseguiria escolher só 3 e quase toda gente fez isto. Vou escolher 3 que penso não terem respondido e de que gosto muito: Flávia, Vânia e .


O que tem na mesa do seu computador agora?

Enviada pela Tammi que, finalmente, está de volta! :)) Ui....que ganda confusão que vai para aqui...rss Quase fico feliz por não saber do cabo da máquina fotográfica. Tenho já uma boa desculpa para não postar a imagem. rss Então:
2 chávenas de café vazias, 1 garrafa de água, 1 chávena de chá, tabaco, isqueiro, cinzeiro, um filtro solar (também gostava de saber o que faz na secretária rs), uma cópia mal amanhada da dissertação e uma catrefada de papelada para rever, contas para pagar, máquina fotográfica, colunas, buffer, impressora, material de escritório, dicionário de Francês e dicionário de Português. Ah! E um VHS que desencantei numa caixa antiga com um programa de manutenção (aeróbico e musculação) que jamais conseguirei fazer do princípio ao fim com a minha (péssima) forma actual. rss Mas fi-lo várias vezes há vários anos atrás. Apesar de exigente, está muito bem construído e adverte para todos os cuidados a ter por principiantes (incluindo os exercícios que devem saltar ou adaptar para formas mais softs) e pessoas com problemas de coluna. No final tem um glossário com a explicação clara de cada exercício e os cuidados a ter na execução para evitar lesões. Agora só falta ganhar coragem para voltar a fazê-lo... :-p

Devo passar para 3 pessoas. Vou passar à Mary, à Fofolety e à Resolução Minha.

Ritual de banho

Esta brincadeira foi enviada pela Victória. ;) Escreva seu ritual de banho em 10 etapas e passe para 5 amigas fazerem o mesmo.

O meu ritual do banho:

1-lavo o cabelo...por mais que não queira, dificilmente resisto a fazê-lo diariamente

2-coloco o amaciador ou máscara reparadora

3- lavo o corpo

4-Massajo com luva exfoliante/tonificante, ora com um sabonete de argila e algas ora com sabonete de glicerina. Quando estou com paciência massajo também com a anti-celulite (aquelas com pitons)

5- tiro o amaciador e lavo o rosto com gel de limpeza específico

6- Seco e passo o hidratante corporal (normalmente, refirmante)

7- Coloco o desodorizante e perfume
8- Lavo os dentes
9- visto-me

10. Coloco o contorno de olhos e hidratante ou filtro solar no rosto (dependendo da hora do dia)

Escusado será dizer que a parte das massagens ou os cuidados com contorno de olhos e filtro solar começaram a entrar na rotina quando decidi emagrecer e voltar a cuidar-me. Na fase de engorda e pós-engorda, não queria saber de nada. Usava apenas hidratante porque tenho a pele sensível e só porque não usar é um grande desconforto.

Vou passar: à Papoila, à Luna, à Tagide, à Taty e à Vanessa.

10 tipos de comida a que não resisto


Sim, eu sei...o selinho devia estar aqui e não ali em cima. Mas não consegui, pronto. rs

Também enviada pela Tammi. ;)
Regras: A pessoa deve escrever os 10 tipos de comida a que não resiste ou que acha mais difícil resistir. Deve colocar o selo no blogue, indicar 5 amigos, avisar no blog deles sobre a brincadeira.

Hum...aqui é que a porca torce o rabo. rss Quase que podia escrever pão e queijo do 1º ao 10º ponto. rss Há um tempo atrás este questionário teria-me deprimido. rs As minhas comidas favoritas são exactamente aquelas que deixei de comer por causa das intolerâncias ao ponto de, a dada altura, me parecer muito mais fácil emagrecer do que conseguir respeitar a minha lista de alimentos proibidos. Mas quando se assume que não há nada mais precioso que a vida e o viver bem, em pleno, começa-se a perceber que não há comida alguma que valha a nossa vida, a nossa saúde, o nosso prazer face ao espelho, em suma, o nosso bem-estar.

Agora vamos lá, o que me tira do sério?

1. Queijo, claro rss
2. pão em todas as formas: sandes, torradas, tostas, açorda.
3. o bacalhau com natas da minha mãe e mais uns quantos pratos com bacalhau
4. Pizza
5. Lasanha
6. Croquetes de carne - o salgadinho que mais me tira do sério
7. A maioria dos salgadinhos: Folhados mistos, de carne, bacon, empadas, coxas de galinha, etc
6. Bôla de carne
7. ferrero rocher - não compro jamais, mas toda a gente sabe que adoro...enchem-me deles no Natal e enquanto não lhes vejo o fim não descanso rs
8. massas e pastas
9. Eu sei que não é comida, mas uma cerveja bem gelada, principalmente nestes dias de mais calor é algo a que resisto com muita dificuldade. rs
10. Pãozão ( uma massa fermentada maravilhosa recheada de queijo, chourição, tomate e cebola). Nunca mais tive coragem de fazer...é verdadeiramente irresistível.
11 comidas que não fazem diferença para mim
Esta foi enviada pela Mary. :)

Consiste em listar 11 comidas que a maioria das pessoas gosta, mas que para você não fazem a mínima diferença:
1. gelatinas com sabor a frutas (ando a tentar aprender a gostar..'tá difícil..rs)
2. refrigerantes
3. Bolos de pastelaria (excepto pasteis de belém)
4. banana faci e outras frutas fritas em restaurantes chineses
5. rebuçados (excepto caramelos de nata)
6. bolachas recheadas
7. chocolate branco
8. Chocolates com recheio de licor, frutas, caramelo ou qualquer outra coisa muito doce
9. dobrada
10. Compotas, doces ou geleias
11. Gelados tipo sundae
Acho que quase todos fizeram estas brincadeiras...Passo as 2 últimas à Ana, à Jojozinha, à Estela, à Victória e à Dessa.

quinta-feira, 26 de junho de 2008

Sem tempo

Não estranhem se o blogue andar meio abandonado uns dias e não fizer as visitinhas com a mesma frequência (mas vou fazer sempre que der). Semana com a família em casa e as minhas rotinas estão meio alteradas. Tenho que compensar o trabalho que deixei mais de lado estes dias e mais um monte de coisas para fazer. Entre elas, comprar roupinha! :)))) É que até as blusas e t-shirts estão já demasiado largas. :))))

Ah! Como devo ser meio masoquista e parece que não gosto de emagrecer, ontem desbaratinei. E, como sempre, nunca sei disparatar a horas decentes, tem que ser à noite que afinal é sempre bom dormir cheia. Raios! Desde beber cerveja (um calor daqueles, todos a beberem e a parva, tunga!), a roubar uns pedaços de pão com manteiga e queijo (tudo coisas boas para a minha saúde) e, não satisfeita, ainda comi iogurte de soja e tostas de arroz com chocolate negro, em quantidade que não teria comido durante a tarde sequer, pouco antes de ir para a cama. Enfim, só asneiras. Sem stresses. Vou ganhar juízo que assim não pode ser.

Agora coisas boas:

- a minha mãe ofereceu-me um conjunto de top e casaco, ambos de malha. Olhei para aquilo e achei que ela estava doida. Aquilo ia ficar estupidamente apertado. Assenta perfeitamente, não fica nadinha apertado e é um M. :)) Ganhei a noção de que não falta muito para recuperar uma parte da roupita que levei para casa dos meus pais (é sempre o armazém, quando me falta espaço..rss) e sentir-me com um peso mais próximo do normalzito

- a pançola virou uma pancita (ehehehe), já proporcional ao resto do corpo

- ontem coloquei o pé em cima de um muro altito para apertar os ténis, coisa impensável há uns 3 meses atrás. Até colocar-me de cócoras custava mais

- sinto-me muito mais leve, mais ágil e as dores nos joelhos e costas por estar mais tempo em pé, desapareceram há uns tempos

- o meu rosto já está com todas as minhas feições de volta

Enfim, emagrecer é algo sem preço e é preciso ser muito parva para começar a deitar tudo a perder. E isso eu não vou fazer. Não há guloseima alguma que valha o nosso bem-estar. As diferenças que se vão sentindo são imensas, muitas mais do que referi acima, e valem largamente todo o esforço que se faz. Olhar no espelho e, apesar de tanto que ainda falta, perceber que as formas estão a regressar aos devidos sitios é algo que também sabe muito, muito bem. Pensar que este fim-de-semana vou à loja onde estive há uns 2 ou 3 meses atrás a comprar uma blusa p'rá minha teen linda ( a menina que me põe a estudar matemátiva volta e meia rs), comprar as blusas que fiquei a namorar, mas que me iam ficar horríveis, deixa-me feliz e motivada para prosseguir caminho. Não pelas blusas em si (que eram giras, giras!), mas por aquilo que representam. ;)

Beijinhos e obrigada pelos comentários. Sentir o vosso apoio é algo que me faz bem e ajuda muito a não desanimar nos momentos mais complicados e a levar as coisas com determinação e boa disposição até ao fim.

P.S. - Estou envergonhadíssima. Dei-me conta de que não respondi ainda a uma série de brincadeiras. Nos últimos tempos, ando de cabeça no ar. Não volto a escrever neste blogue sem fazer todas elas.

terça-feira, 24 de junho de 2008

Pesagem

Menos 1 kg. Deve ser mais qualquer coisita, já que o período ainda não acabou. Mas como estou menos inchada e as diferenças são visíveis, não resisti a pesar-me. ;) Já me passou o stress do metabolismo. Com cuidado há-de voltar o sítio. Mais, ultrapassei a metade do caminho até à minha meta e isso é uma boa notícia. :)

segunda-feira, 23 de junho de 2008

Reintroduzir a alimentação com precaução?

Ui! Foi cá uma precaução que nem vos conto..ehehehe Foi mais com um jantar óptimo que me soube pela vida. rss Anda aqui uma gaja cheia de boas intenções e depois aparece a família que vem passar cá a semana, carregada de coisas boas. O que ia ser o jantarzinho mais simples do mundo, rapidamente passou à ideia (não minha) de entrecosto e enchidos vários grelhados. Trouxeram bananas e depois, como quem não quer a coisa, perguntam-me como faço aquela banana que estava óptima não-sei-quando. Já estão a ver o filme, né? Banana frita, feijão preto, farofa. Enfim, menu completo. Depois, enquanto preparava o jantar, começo a olhar para aqueles enchidos todos (que eu adoro) e a perceber que ia ser meio chato, depois de tanta restrição, olhar para tudo e não tocar em nada. Assumi que não comia nada de carne de porco e enchidos e grelhei um bife de vaca (de uma parte mais magra) para mim. Mas acompanhamentos foi de tudo. Não abusei muito, mas atendendo à miséria que comi a semana toda, estiquei-me mais do que devia com a banana frita e a farofa. Azarito. É que me soube mesmo bem.

Então, percebi uma coisa. O que me chateia não é um pézito fora do lugar em situações destas, partilhadas, em que saboreio realmente e curto cada pedacinho com o maior prazer. O que me chateia são os dias em que como por comer ou como porque estou em stress ou ansiosa com alguma coisa. O que me chateia é não perceber que não é preciso comer que nem parva qualquer coisa que me saiba bem. Um bocado chega, não é preciso abusar. Tenho tido mais cuidado e quando decido fazer uma refeição diferente, tenho mais atenção à qualidade do que coloco no prato na hora de decidir a porção de cada alimento. Ontem não foi bem assim. Até deixei o arroz no prato, só para tirar um bocado mais da farofa e da banana que me soube muito melhor. Não é lá uma troca muito inteligente ou saudável. Mas azarito. Não extrapolei em demasia as quantidades. Hoje estou de volta à alimentação equilibrada e aos tais cuidados na reintrodução da alimentação normal...rss Hoje eles podem comer o que quiserem, o meu jantar vai ser peixinho grelhado. ;)

Continuo com a mesma ideia: alimentar a gula antes de surgirem forte e feio os desejos, resulta muito melhor comigo. Já sei que vai ser uma semana com o frigorífico com tudo o que é tentação e com jantares particularmente apelativos. É sempre assim quando tenho cá a família. Agora não tenho desculpas para esticar o olho para as comidas alheias. Ja fiz o jantar da gula.